14 janeiro 2010

Simon Blackburn – O problema do livre arbítrio

- O passado controla o futuro.
- Não podemos controlar o passado.
- É também impossível controlar o modo como o passado controla o presente e o futuro.
- Logo, não podemos controlar o presente nem o futuro.

De facto, não se pode controlar coisa alguma, nem o passado, nem o presente, nem o futuro.
A primeira premissa do argumento é uma versão compacta de uma doutrina conhecida por «determinismo», doutrina que consiste na defesa de que qualquer acontecimento é o resultado de causas que o antecedem. O estado do mundo em cada momento é o resultado do seu estado imediatamente anterior, que evolui de acordo com as leis imutáveis da natureza. A segunda premissa parece evidente. A terceira lembra-nos que não temos controlo sobre as leis da natureza – sobre o modo como os acontecimentos se originam uns aos outros. E a conclusão parece seguir-se claramente.
Às pessoas que aceitam este argumento chamam-se incompatibilistas ou deterministas radicais, dado considerarem que a liberdade e o determinismo são incompatíveis.
Mas será necessário negar o determinismo se quisermos defender que há liberdade humana?
Simon Blackburn, Pense, Gradiva, p. 91.

1 comentário:

Edi disse...

Bom assim acredita-se poder existir liberdade sendo que Blackburn apresenta a liberdade apenas como uma coisa de que temos consciencia ...Entao o que é liberdade para o autor?

filosofiareal

«Quem hoje em dia ensina filosofia não selecciona o alimento para o seu aluno com o objectivo de lhe adular o gosto, mas sim para o modificar.»
Wittgenstein