12 fevereiro 2009

O filósofo e a linguagem

Por todo o lado, no texto platónico, vemos passagens ou incidentes que sugerem a ideia de que, no fundo, é menos o filósofo quem se serve da linguagem do que o logos, que se revela por seu intermédio, que impõe a sua lógica e o seu desenvolvimento próprios. O logos, com efeito, é simultaneamente o discurso e o seu aspecto lógico, o raciocínio. (…) A submissão ao logos é a manifestação directa da recusa em se servir da linguagem, de fazer dela um simples instrumento ao serviço dos interesses de quem fala, sem ter em consideração a verdade. (…)
A submissão ao logos assenta no simples pressuposto de que existe um ser objectivo da linguagem decalcado do ser objectivo das coisas. (…)
Falar é um acto profundamente moral: é o acto em que o homem pode – e deve –aproximar-se o mais possível do verdadeiro.
Christophe Rogue, Compreender Platão, Porto Editora, pp. 42, 43.

Sem comentários:

filosofiareal

«Quem hoje em dia ensina filosofia não selecciona o alimento para o seu aluno com o objectivo de lhe adular o gosto, mas sim para o modificar.»
Wittgenstein